agente de viagens

Pelo oitavo ano consecutivo, a Associação dos Agentes de Viagens Britânicos (ABTA) realizou uma pesquisa para entender como estão os hábitos dos viajantes no Reino Unido, e pela primeira vez o papel do agente de viagens foi colocado à prova dentro da seleção de perguntas. Resultado: nove em cada dez pessoas que iniciam conversas com profissionais acabam fechando negócio com a mesma agência em questão.

Dos dois mil entrevistados, 30% disseram ter comprado sua última viagem a partir da ajuda de um agente de viagens. Destes, 93% compraram um pacote oferecido pela mesma agência do profissional responsável pela conversa, sendo que 40% das compras foram acertadas na própria loja, 30% reservadas pelo site da agência e 23% pelo telefone.

O resultado da pesquisa mostra que a preocupação do setor em relação a uma mudança de comportamento das pessoas, que estariam conversando com agentes e depois fechando negócios por conta própria pela internet, não reflete muito bem a realidade. Apenas 7% dos entrevistados adotaram essa tática na última viagem realizada.

“É fantástico saber que o consumidor está percebendo a importância da consulta a um agente de viagens antes de definir seu destino. O processo fica mais fácil, rápido e seguro. Até mesmo os mais jovens, que já cresceram em um ambiente praticamente todo digital, estão reconhecendo suas limitações na hora de comprar uma viagem por conta própria”, comentou a diretora de Desenvolvimento de Negócios das ABTA, Victoria Bacon.

MOTIVAÇÕES
Ainda de acordo com a pesquisa, os três principais motivos que fazem turistas escolherem viagens a partir de profissionais do ramo são: facilidade com reservas (58%), economia de tempo (51%) e maior confiança em uma viagem sem imprevistos (45%).

Quanto à faixa etária, 20% dos entrevistados de 25 a 34 anos disseram que viagens marcadas com agentes são melhores que as organizadas por conta própria, enquanto 32% daqueles entre 18 e 24 anos preferem conversar com um profissional em busca de novas ideias de destinos.

Segundo a ABTA, um dos fatores que colaborou com os números considerados surpreendentes foi a perda de confiança das pessoas em sites que oferecem dicas e roteiros de viagens. Em um ano, a parcela de viajantes que confiam nessas informações caiu de 53% para 39%.

Fonte: Panrotas